Resenha (com spoiler) de Water (2005)

Kalyani (Lisa Ray) e Chuyia (Sarala Kariyawasam) em Water. © Hamilton-Mehta Productions

Water é um filme indiano de 2005, dirigido por Deepa Mehta, que aborda a situação das viúvas hindus na Índia de 1930. Mesmo com 1h 54m de duração o filme não cansa o espectador em nenhum momento. Com uma linguajem forte, e ao mesmo tempo poética, Water prende do início ao fim.

O filme se passa em 1938, quando a Índia ainda estava sob ocupação britânica. Neste período os casamentos infantis eram comuns do que nos dias de hoje. E atrama começa a se desenvolver justamente quando Chuyia (Sarala Kariyawasam), a protagonista, fica viúva de um marido muito mais velho do que ela.

Mesmo sem ter consumado a união Chuyia é considerada uma viúva e deve cumprir com o seu destino. Suas vestes coloridas são substituídas por um sari branco e seus cabelos negros são cortados por uma tesoura. Posteriormente a sua cabeça é raspada com uma navalha.

Logo depois Chuyia é deixada num viuvário pelo pai, que ao ser questionado pela menina sobre o que vai acontecer a seguir fica com as palavras engasgadas em sua garganta. Aos gritos Chuyia é levada para dentro das paredes que caem aos pedaços.

Das 14 mulheres residentes no viuvário Kalyani (Lisa Ray) é a mulher que mais lhe dá carinho e atenção. Kalyani tem diversos diferenciais que fornecem pistas de sua condição de prostituta. É a mais bela e jovem viúva do local e não cortou os seus cabelos. Ela também sai constantemente a noite.

Parte do pagamento por seus serviços vão para as mãos de Madhumati (Manorama), que exerce um papel de liderança no viúvario. O dinheiro é usado para comprar comida para as viúvas e suprir suas necessidades mais básicas como comprar lenha para cremá-las, após sua morte.

O filme apenas retrataria o drama cotidiano de viúvas vivendo a margem da sociedade indiana se o recém-formado em direito Narayan (John Abraham) não conhecesse Kalyani às margens do Rio Gangues.

Narayan é um jovem de ideias progressistas que apoia o movimento pró-independência liderado por Gandhi. Recém-chegado do exterior ele não carrega consigo os preconceitos típicos da cultura indiana. Percebemos isso quando ele reage com indiferença a condição de viúva de Chuyia.

Enquanto o romance insólito de uma viúva com um homem abastado, e pertencente aos brâmanes – a casta mais alta da Índia –, se torna mais profundo testemunhamos com pesar como Chuyia acaba se conformando com a sua condição de viúva.

Mesmo assim ela não perde a alegria e sorri tanto que chega a incomodar as outras mulheres. Chuyia é ousada e quebra regras. Ela realiza o último desejo da viúva Auntie (Vidula Javalgekar) ao comprar para a mesma um doce chamado laddu.

Uma das viúvas que mais merecem destaque é Shakuntala. Quase sempre em silêncio ela é uma mulher enigmática que traz questionamentos atemporais como, por exemplo: o que fazer quando a consciência e a religião entram em conflito?

Além de ser enigmática Shakuntala também é extremamente relevante para o desenvolvimento da trama. É justamente uma atitude sua que nos leva para os momentos finais do filme Numa atitude intrépida ela toma as chaves de Madhumati e liberta Kalyani do cativeiro a qual tinha sido submetida.

Acontece que Kalyani havia aceitado se casar com Narayan e ir embora com ele para Calcutá a afim de recomeçar a vida, mas Madhumati, temendo perder uma grande fonte de renda e com medo da desgraça social, a prendeu em seu quarto.

Numa cena comovedora, inquietante e até frustrante quando Kalyani estava fugindo com seu grande amor percebe que iria se casar com o filho de um de seus principais clientes ao avistar a fachada de sua casa. É uma cena comovedora, inquietante, frustrante.

Indignado por perder a mulher que amava Narayan confronta seu pai. A cena é carregada de emoção com olhares de indiferença e soberba, por parte do pai, e desprezo e frustração, por parte do filho.

Mesmo com tudo isso Narayan insiste na ideia de fugir com Kalyani e vai até o viuvário, apenas para descobrir que ela cometeu suicídio. No entanto, as tragédias não acabam por aí. Logo depois da cremação da viúva suicida Madhumati envia Chuyia até a casa de um homem abastado para ser prostituída.

Na posição de substituta de Kalyani a pequena viúva é abusada sexualmente logo depois de dizer com ar de inocência: “Eu vim brincar”. Neste momento Shakuntala entra em ação novamente. Percebendo a falta de Chuyia no viuvário ela logo descobre o seu paradeiro e a resgata.

Shakuntala encontra uma Chuyia em estado catatônico. A trama chega ao seu fim quando a viúva em um ato de total desespero e tentando salvar a menina da prostituição a entrega nos braços de Narayan que parte num trem com a comitiva de Mahatma Gandhi, que acabou de ser libertado da prisão pelos britânicos.

Assim Chuyia se liberta de uma vida de prostituição forçada e Gandhi parte para mais uma etapa de sua longa caminhada pela independência indiana. Enquanto isso sozinha na estação de trem os olhos de Shakuntala ficam marejados. Pelo o que será que ela espera?

Acredito que ela espere por aquilo que falou uma certa vez ao longo do filme: “reencarnar como um homem”. Somente assim as coisas serão mais fáceis para ela. Afinal não existiam – e ainda não existem – viuvários para homens na Índia.

Para mais informações técnicas sobre o filme acesse IMDb

Trailer do filme Water, direção de Deepa Mehta:

Publicado por Fernanda da Silva Flores

Fernanda da Silva Flores é graduada em História pela UNOPAR (2018) e possuí pós-graduação em Gestão e Organização da Escola com Ênfase em Supervisão Escolar (2019) também pela UNOPAR. Fundou o site Rainhas na História em setembro de 2016. Reside em Itajaí, Santa Catarina, Brasil.

4 comentários em “Resenha (com spoiler) de Water (2005)

  1. É triste o sofrimento das mulheres da Índia, mais triste ainda é a situação das viúvas. Graças a Deus não vivemos na Índia, desejo que um dia essas idéias em relação as viúvas e o Sati Pratha sejam varridos do país.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: