Da plebe à realeza: como era nascer e crescer no Império Otomano?

Sultana Kösem (Beren Saat) em ‘Muhteşem Yüzyıl.

Mesmo quase após um século de sua dissolução o Império Otomano segue exercendo um imenso fascínio sobre as pessoas. Muito se sabe os grandes feitos dos sultões e suas célebres batalhas, mas quase nada se fala acerca de seus nascimentos e infâncias. Saiba como era crescer e viver no Império Otomano a seguir.

Infelizmente não se sabe muito sobre as crianças no Império Otomano. As pessoas não escreveram autobiografias ou mesmo sobre a infância de pessoas importantes. Depois que um homem importante morria, seus papéis eram destruídos: a responsabilidade por essa destruição geralmente é atribuída às mulheres da casa, que muitas vezes não sabiam ler.

Até a era moderna, o pouco que se sabe vem de tradições que raramente mudaram até o século XX, e da dinastia imperial que tinha tendência para registrar tudo. Os dossiês eram mantidos sobre todas as mulheres que entravam no harém otomano, inclusive quando elas menstruavam. E se uma garota dormisse com o sultão, essa data seria cuidadosamente anotada e para ela seria designado um assistente especial que cuidaria dela a partir de então.

O nascimento imperial de uma criança seria realizado usando uma cadeira de parto, uma prática que pode ser rastreada até os antigos babilônios. Mulheres do harém que eram parteiras experientes compareciam a cada parto, e o médico-chefe do Palácio de Topkapi poderia ser chamado se houvesse complicações; no entanto, o último teria sido menos do que útil, pois ele não seria capaz de ver ou tocar a mulher que estava dando à luz. Ele só podia oferecer conselhos por trás de uma tela ou cortina com base nas informações que estavam sendo transmitidas a ele.

Para a população em geral, parece que as parteiras eram comumente judias e, em antecipação ao nascimento, não apenas a família da mulher grávida se reunia, mas também as mulheres da vizinhança. Quando o trabalho de parto começava, a parteira trazia sua própria cadeira de parto.

Assim que o bebê nascesse com segurança, seu sexo seria anunciado.
Os sacrifícios seriam feitos dependendo da riqueza da família, e esmolas eram dadas. A parteira lavava o bebê, colocava sal para tirar o cheiro, colocava mel em sua boca para que sua fala fosse doce e bonita e cortava o cordão umbilical. Em troca, a parteira recebia roupas limpas junto com pedaços de sabão, e ela recebia chá ou chá de tília e a chance de descansar e se recuperar em um quarto especialmente para ela. Ela também permaneceria na casa da parturiente por seis dias após o nascimento.

Uma cama especial era preparada para a nova mãe e o bebê era levado até ela, bem embrulhado. Uma pequena pérola de mau-olhado seria fixada em suas roupas e um Alcorão colocado acima de sua cabeça. Nos seis dias seguintes, a nova mãe nunca seria deixada sozinha por medo de contrair febre. No terceiro dia após o nascimento da criança, porém, o chefe da família pegava a criança, recitava a chamada para a oração três vezes e pronunciava o nome dado à criança três vezes.

No sexto dia, o isolamento da mãe terminaria e haveria uma celebração com danças e banquetes e pinturas de hena que durariam até tarde da noite. Os ciganos tiveram um papel importante a desempenhar nas festividades. Para o filho primogênito de um sultão, porém, o povo seria presenteado com outras festividades que começariam com o disparo de canhões. Uma filha primogênita também receberia algumas festividades, embora não fossem tão significativas, e os nascimentos dos filhos subsequentes seriam celebrados cada vez com menos extravagância.

Quarenta dias depois, se o bebê sobrevivesse, uma cerimônia conhecida como 40 hamams seria realizada. Naquela época, a criança, sua mãe e a parteira seriam levadas a um hamam junto com parentes de todos os tipos e vizinhos sendo convidados. Os ciganos tocariam seus instrumentos até a noite durante a celebração. Obviamente, os ciganos não seriam levados para o Harém do Palácio de Topkapi, mas como a música era o entretenimento favorito, não faltariam danças e cantorias.

Os primeiros anos de um bebê imperial seriam passados com sua mãe no Antigo Palácio, onde hoje fica a Universidade de Istambul. Este foi o primeiro palácio otomano construído em Istambul após a conquista da cidade pelo Sultão Mehmed II (1432-1481) serviu como o centro do Império até o Palácio de Topkapi ser concluído. A maioria das fontes sugere que o harém do sultão não estava instalado no Palácio de Topkapi até a época da Sultan Hürrem (falecida em 1558), mas sabe-se que as mulheres do harém imperial costumavam acompanhar seus filhos todos os dias a Topkapi, onde ela eram educados. Quando a Sultana Hürrem estava claramente às portas da morte, ela foi levada para o Palácio Antigo para morrer. E quando um novo sultão era proclamado, sua mãe era levada com grande cerimônia do Antigo Palácio para o Palácio de Topkapi para cuidar do harém imperial, e às vezes mais, como influenciar os assuntos de Estado.

Palácios e crianças

Conforme o bebê imperial crescia, ele recebia uma babá e uma ama de leite. Como sempre havia crianças no harém, não faltavam jovens concubinas para servirem de babás e animadoras das crianças.

As crianças também eram levadas para os jardins do palácio pelos eunucos que guardavam o harém. Ali também existia um zoológico, que estava localizado na área onde hoje abriga o Pavilhão de Azulejos, que contava com uma variedade de animais para divertir os habitantes do harém.

Quando um príncipe tinha idade suficiente, ele começava a ter aulas com tutores e seu primeiro dia começava com uma cerimônia especial.
Ele continuaria a ter aulas até atingir a puberdade, quando teria um apartamento próprio e concubinas para se divertir. Por muitos anos, os filhos do sultão foram enviados desde cedo para serem governadores provinciais, para que recebessem treinamento prático em governança; no entanto, essa prática foi finalmente abandonada quando ficou claro que ameaçava a estabilidade da dinastia, no século XVII.

As filhas do sultão também recebiam uma educação, que em certa medida se parecia com a das meninas europeias da classe alta – em leitura, escrita, religião, costura, música e coisas do gênero. Frequentemente, serviam de peões nos jogos de poder do sultão, que as casavam com cortesãos favorecidos, independentemente de sua idade. E, embora essas meninas tivessem seus próprios filhos, esses bebês nunca foram considerados ameaças à Dinastia de Omã.

Frequentemente os casamentos das filhas dos sultões também ficavam sob o encargo de suas respectivas mães e avós. Na qualidade de sultanas tais mulheres contavam com privilégios no casamento que as separavam de outras mulheres muçulmanas comuns: como o direito de ser a única esposa de seu cônjuge, de se recusar a consumar seu casamento até que estivessem prontas e de se divorciar quando bem quisessem. Porém, como tais casamentos, na maioria das ocasiões eram arranjos políticos, tais privilégios quase nunca foram usados pelas sultanas sem a permissão expressa de seus parentes do sexo masculino.

Um dos maiores exemplos da política de casamentos múltiplos da Dinastia de Omã são as Sultanas Ayşe (c. 1605/08-1656/67) e sua irmã, a Sultana Fatma (1606 -c. 1667), filhas do Sultão Ahmed I (1590-1716). Ambas se casaram pelo menos de sete a seis vezes e iniciaram seus últimos matrimônios com cerca de 50 e 61 anos de idade. Por exemplo, do número total de maridos de Ayşe, dois foram executados, um foi assassinado e dois morreram em batalha.

Fontes:

GAMM, Niki. Birth and childhood in Ottoman times. Disponível em: <https://www.hurriyetdailynews.com/birth-and-childhood-in-ottoman-times-19991>. Acesso em 7 de janeiro de 2021.

QUATAERT, Donaldo. O Império Otomano. Das origens ao século XX. Tradução de Marcelina Amaral. 1° ed. Coimbra: Edições 70, 2018.

Publicado por Fernanda da Silva Flores

Fernanda da Silva Flores é graduada em História pela UNOPAR (2018) e possuí pós-graduação em Gestão e Organização da Escola com Ênfase em Supervisão Escolar (2019) também pela UNOPAR. Fundou o site Rainhas na História em setembro de 2016. Reside em Itajaí, Santa Catarina, Brasil.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: